O mundo das festas: vale a pena investir?

Postado em 13/12/2012, 12:56


Investir em um segmento em ascensão, é estar de olho nas múltiplas vantagens que o mercado tem a oferecer. O mercado de casamentos, por exemplo, tem sido a cereja do bolo quando se trata de escolha certa.

Segundo o IBGE, de 2003 a 2010, o número de casais que oficializaram a união subiu em mais de 30%. O Instituto Data Popular (órgão responsável pela pesquisa) assegurou que, o faturamento anual deste mercado fechará o ano na média de 14 bilhões, ultrapassando até mesmo o PIB Brasileiro. Pois é, este tema nunca esteve tanto em evidência! É hora de se preparar.

Atualmente, os casais preferem estabilizar-se antes do casamento, o que justifica um capital maior para investimento. Assim, a união se tornará símbolo de independência, o que influi diretamente nas opções e desejos dos noivos, que a cada dia tornam-se mais exigentes, obrigando os fornecedoresa investirem em qualificação dos serviços.

 

Já na hora de oferecer o serviço, é super válido optar por um diferencial e trabalhar em cada evento de forma única. Há buffets, por exemplo, que personalizam uma marca para o casal desenvolvendo a decoração a partir disso – o preço, neste caso, deve ser mais alto devido à exclusividade.

Por outro lado, os objetos tradicionais (e ainda usuais, como doces, bem casados, entre outros) ganharam uma roupagem nova, com novo design, informação e novo conteúdo, de preferência inovador. Qualquer coisa que seja diferente ganha espaço nessa era – desde que seja encantador, claro.

É dever do fornecedor estar antenado quando às tendências, pois oferecer um serviço de qualidade possivelmente será a sua maior propaganda, e como resultado atrairá novos investidores interessados. Por isso, fique atento: uma festa não diz nada sozinha, o que comunica é todo o processo, que vai desde a recepção, passando por buffet, acomodação, serviços e atendimento em geral. Preparar os funcionários é um exercício e tanto para atender a todos com elegância – atender educadamente é uma obrigação

Mas, atenção! Para sobrevivência neste cenário com tantas possibilidades a explorar, o empreendedor vai precisar de investimentos, qualificação e muito bom gosto.

Pronto para o desafio? Então, mãos à obra e... boas festas!

 


E por falar em crescimento...

Postado em 07/02/2013, 16:46


O empreendedor inteligente sabe enxergar oportunidades onde outras pessoas não enxergam nada.

Ser empreendedor é saber desenvolver habilidades em si mesmo, para depois usar a experiência como fonte de inspiração e modificar a vida de alguém. Mas para que isso aconteça, o contato com outras pessoas que desempenham a mesma função é uma relação bastante saudável para o aprimoramento de técnicas e trocas de experiências. Além, claro, de possíveis parcerias que podem gerar bons resultados.

Lidar com pessoas é investir no marketing pessoal, o que vai gerar postura diante do mercado e melhor visibilidade e posicionamento da marca. Participar de feiras e congressos, também são iniciativas para quem deseja permanecer entre os mais qualificados e buscam os melhores caminhos para isso. Entre outros fatores que ajudam no desenvolvimento pessoal, uma boa leitura diária pode proporcionar o crescimento como pessoa, o que acaba se refletindo em todo o trabalho e só tem a acrescentar em todos os aspectos.

Outra ferramenta importantíssima são os Best Sellers, que pode majudar bastante na trajetória como empreendedor, e certamente irá somar muito, pois a pessoa é um conjunto. São eles:

 

 

• Liderança para gerentes e executivos – Alex Hiam

 

 

 

 

 

 

• Inteligência social – Karl Albrecht

 

 

 

 

 

 

• A Cabeça de Steve Jobs – LeanderKahney

 

 

 

 

 

• A arte do começo – Guy Kawasaki

 

 

 

 

 

 

• A arte da estratégia – Carlos Alberto Julio

 

 

 

 

 

 

• A magia dos grandes negociadores – Carlos Alberto Julio

 

 

 


A característica de maior importância para qualquer empreendedor é não perder o poder do aprendizado.

Lembrando que, muitas vezes, aprender é desaprender, ou seja, às vezes é preciso se desapegar de conceitos antigos para adaptar-se às novas tendências do mercado, o que exige também humildade, para saber que a evolução faz parte do processo de crescimento e amadurecimento de toda a humanidade. E isso inclui o empreendedor como pessoa, se refletindo também no trabalho, na administração e na empresa como um todo.